Passaredos Paulistanos


Na semana passada eu fui até a cidade (o centro dela), e só para ver se minha alma deixava de “ser tão” passarinheira*, como nos últimos dias. Empoleirada no metrô, de repente, fui abatida por um baita passaroco** bem no meio daquela passarinhada toda que andava em revoada de lá pra cá, de cá pra lá, misturada em todos os seus tipos: tinha os brancos, os pretos, os amarelos, os pardos, os abastados ou não, porque São Paulo é assim, cheia das multidões regionalizadas, todas imbricadas nos passeadouros da cidade. Eu ainda pensava nisso quando, já fora do metrô, atravessava a Passarela das Noivas, olhando os contrastes da metrópole. Por aí vai, cheguei à Estação da Luz a fim de piar com Clarice Lispector, lá no Museu da Língua Portuguesa, ler o que ela tinha para me dizer no “ser-tão” de minha alma:

“Dar a mão a alguém sempre foi o que esperei da alegria”.
(inscrição na lápide de Clarice Lispector)

É a possibilidade de se encontrar tantos eus distintos e longínquos da própria cidade que a torna, assim, tão paulistana. Mesmo que Clarice e Florbela Espanca (as aproximo pois é a forma que as vejo) nunca tenham posto os pés aqui, eu sempre poderei encontrá-las nos ninhos deste passaredo paulistano, mesmo que por uns instantes.

______________
*Passarinheira: do verbo passarinhar: levar vida de vadio; vadiar, vagabundar.
** Passaroco: sentimento de tristeza, melancolia.



1 comentários:

  1. SHenrique disse...:

    Oi minha linda, aquela passarela das noivas também muito me inspira... E o metrô lotado, com todas aquelas caras que você falou então, nem se fala... Bacana esse teu novo espaço, vou aparecer de tempos em tempos pruma prosa! Beijão

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.