SILENCIA A RABECA DO MAESTRO ZÉ GOMES

O som da rabeca interrompeu-se. Em meio ao acorde, calou-se, até a vibração se extinguir por completo, o tempo suspenso, o vazio. E o rabequeiro Zé Gomes sai de cena, deixando a peça inacabada.
Escrevi rabequeiro, mas o Zé era artista completo: arranjador, compositor, luthier, pesquisador, maestro. Pensador da cultura, crítico radical das “panelinhas” repletas de sanguessugas e vampiros, dos que mamam verbas, conluio infame onde “quem está dentro não sai e quem está fora não entra”. O Zé não estava nessa. Durante seu longo percurso, sempre foi rebelde, arredio, avesso ao sucesso fácil e aos holofotes.

Dani e o Maestro, Centro Cultural São Paulo

Na noite em que nos despedimos, o cavalheiro Arthur Bandeira, dedicado amigo, perambulava, inconformado, exangue, após cumprir o triste, mas necessário papel de avisar e receber os muitos amigos. Enio Squeeff, velho amigo, não ocultava a perplexidade. Nani, os olhos vivazes, denotavam incredulidade, a perplexidade de todos nós. Os filhos, comedidos, dignos, corteses, apesar da tristeza. Deo Lopes, desamparado, vagava entre a tristeza atual e as velhas e alegres lembranças das andanças. Dércio e Dani transformavam dor em música trazendo com eles as vozes de Deo, das irmãs Célia e Selma, de Noel Andrade, a rabeca de Thomas Rohrer. Kátya Teixeira rompeu seu silencio entoando o Caicó, tema tão caro ao Zé.

Seu nome de batismo era Jose Bonifácio Kruel Gomes, mas por mais de cinco décadas se tornou conhecido como Zé Gomes, o “Zé”. familiar a arte de Bach, Stravinsky, Mozart, Paganini, Villa-Lobos, de quem foi magistral interprete. Mas o que gostava mesmo era de garimpar nos caudalosos rios da Terra Madre, inundados das mais puras manifestações populares, para de lá extrair pedras brutas e lapidar com maestria de ourives até torná-las pérolas do mais puro quilate. Foi assim que após 10 anos de sua estada no Pantanal, com a legendária Comitiva Esperança, com Almir Sater, Paulo Simões e Geraldo Espíndola, veio a público o antológico Palavras Querem Dizer, onde a viola-de-cocho, rústico instrumento de origem medieval, fabricado e usado pelos pantaneiros, junto com a rabeca, outro instrumento cuja origem se perde nas brumas do tempo, ganhou tratamento digno de ser apreciado nas mais exigentes salas de concerto. E assim, sessentão, depois de criteriosa maturação, estréia em disco solo.


Palavras Querem Dizer, capa e contracapa


Em seguida veio “A Idade dos Homens”, em parceria com o filho André, obra aberta, que mostra a avidez pelo aprendizado, a troca constante, entrelaçando sons que vão do deserto ardente aos picos gelados; do Oriente à Europa; do medievo ao moderno, harmonizando instrumentos aparentemente díspares: chocalhos metálicos, violino, teclado, tablas, viola de cocho, baixo, sitar, darbouka, bodrán, rabeca, saltério, violão, guitarra midi,etc.



A Idade dos Homens


No belíssimo e não distribuído comercialmente Tempos Interiores, novamente a coerência de sua trajetória: como cita Enio Squeff, num texto revelador: “... constam dessa gravação a aproximação com os clássicos no sentido estrito da palavra e toda gama de informações (musicais) ao longo dos séculos.” Assim, percebemos evocações a Villa, a Baden Powel; o bem humorado e irrequieto diálogo do violino com a viola caipira de Almir Sater na célebre Doma. Na faixa Veia Messina, tema baseado num texto de Saulo Laranjeira, num esforço para buscar autenticidade, recorre a uma singela rabequinha, de onde extrai o som que nos conduz, “visualmente”, às aldeias medievais, aos terreiros de dança do interior do Brasil, repletos de humor, nostalgia, alegria.



Tempos Interiores


Deixou pronto e inédito alguns trabalhos: um CD ao vivo com Yamandú Costa, uma impressionante parceria com Thomas Rohrer no disco “Rabecas”; Orquestra Rústica, feito para teatro infantil, além de muitas parcerias com o filho André e um número desconhecido de composições. Deixa também um inédito método para rabeca. Participou de mais de 200 gravações, com destaque para os discos: Terra Vento Caminho, de Dércio Marques; Planador, de Papete; Diana Pequeno, Elomar, Renato Teixeira, Dani Lasalvia, Deo Lopes, João Bá, Dorothy Marques, Paulinho Pedra Azul, etc, etc.

Do que morreu o Zé Gomes? O diagnóstico foi infarto, mas pode ter sido tristeza, indignação, frustração perante as tremendas dificuldades, cansado do vilipendio, das redundâncias, dos que se conformam com o sucesso fácil, descartável. O frágil corpo que abrigava um gigante, não suportou. Porém, foi sua vingança final, prevalecendo até o fim sua radical postura de sempre buscar as origens ignotas da expressão musical, tal como fez em Veia Messima... Como me disse o amigo Deo Lopes: “Ele foi o alicerce musical de todos nós...”

Convivi pouco com o Zé Gomes. Porém, foi o bastante para fundarmos uma fraterna amizade. Tratava-me com benevolência, respondendo com grande paciência as minhas rudimentares e leigas questões sobre música. E ao mesmo tempo, me interrogava: “O que acha dessa passagem? Não acha o violino cheio demais, roubando cena?” Até que um dia perguntei, intrigado: “Zé, porque você que tudo sabe, pergunta a mim, que não sei executar um acorde sequer?” Com sua polidez e sobriedade, respondeu na lata: “Vocês captam nuances que os ouvidos técnicos não conseguem”. Esse era o Zé. Eterno aprendiz, que não se conformava em se fixar nas estruturas já conhecidas.
Capa interna de Tempos Interiores

Silencia a rabeca. Interrompeu-se o som da viola-de-cocho, do cello, do violino, do violão. No vácuo, o silencio: lembrança do mago, cuja música nos arrebatava.
Rabecas, Zé Gomes e Thomas Rohrer


A turma do sertão paulistano deseja aos seus amigos, fãs, seguidores e especialmente a sua família, o desejo de superar e prosseguir....



Com Almir e Geraldo, refazendo o caminho da Comitiva Esperança
SERVIÇO:


PEQUENA NOTA BIOGRÁFICA
(Fonte: Jornal Já, Porto Alegre)

Zé Gomes começou a tocar profissionalmente aos 14 anos. Natural de Ijuí, aos 17 muda-se com a família para Porto Alegre e ingressa no Movimento Tradicionalista, com o grupo “Tropeiros da Tradição”, com Paixão Cortes. A formação serviria de modelo a todos os conjuntos que os sucederam.

No início da década de 1950, integrou o conjunto “Os Gaudérios”. Aos 18 anos, viaja com o conjunto à França, para participar do Festival Internacional de Folclore promovido pela Universidade Sorbonne, e volta ao Brasil com o primeiro prêmio.

Em 1955 trabalhou com João Gilberto, juntamente com Luis Bonfá, compositor da música do filme Orfeu no Carnaval, que já tinha elementos da Bossa Nova.

Em 1958 criou o Curso de Violão José Gomes, no qual ensinou mais de 1.500 alunos em uma década de funcionamento, época em que freqüentemente palestrava em seminários culturais ou integrava a OSPA.

Em 1966, Zé Gomes funda, com Bruno Kieffer e Armando Albuquerque, o Seminário Livre de Música (Selim), que dois anos depois vira o Centro Livre de Cultura. Em 1969, por concurso público, torna-se professor na Escola de Artes da UFRGS.

De 1968 a 1971 participa, como arranjador, de vários festivais. Muda-se para São Paulo no início dos anos 70, onde, além de continuar lecionando, compõe músicas para teatro, trilhas para cinema, fábulas infantis, quartetos, trios e duos instrumentais, corais, peças para viola e rabeca (instrumento que mais tarde viria a construir), e música sacra.

É considerado um dos maiores intérpretes de Villa-Lobos, cuja obra estudou profundamente. Dedicou-se ao estudo da rabeca e da viola de cocho.

Com os parceiros Almir Sater e Paulo Simões, viajou a cavalo mais de mil quilômetros pelo Pantanal, para fazer um filme sobre o homem pantaneiro e pesquisar a música da região.

Criou inúmeros projetos de artesanato e fabricação de instrumentos musicais, tais como rabeca acústica, chorongo , baixo acústico, calimba cromática, violino mudo.



7 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Muito cedo, Zé, muito cedo!!

  1. Anônimo disse...:

    Muito cedo,Zé, muito cedo!!


    Cleide Lima

  1. Anônimo disse...:

    Joca,
    teu depoimento sobre Zé, travou-me a goela., Minino!

    Mostrasse a cópia fiel do artesão e do vigia que guarda(va) o nosso bem
    mais precioso, a música imaculada .
    Viro e mexo e ele aparece por aqui, em tudo. No "Música de Rabequeiros",
    presente de Nívia, ele é apresentado como pioneiro no retorno da rabeca
    ao contexto da musica instrumental urbana, fascinante.
    A figura de Zé sempre me intrigou,
    aquele som que emergia sempre por traz de uma voz cristalina,
    e de uma letra forrada de sensatez. Fio condutor de viagens em desenhos
    singulares, regiões que não ousamos tocar, dentro da gente.
    Palavras querem sempre dizer , ...sempre

    Cleide Lima, Recife

  1. Joca disse...:

    Cleide,

    Teu depoimento é que merece ser lido, ouvido, analisado, pois capta como poucos algo que poderíamos chamar a "filosofia da música". Sim, "o som que emergia por trás da voz cristalina" de Dani Lasalvia, Dércio Marques, Doroty, Pena Branca e Xavantinho, do Elomar na antológica "Chula no Terreiro", de Parcelada Malunga. E quem consegue imaginar a Doma, do Almir, sem o mágico violino do Zé Gomes?
    Se não me engano, o Zé foi pioneiro no uso da viola-de-cocho num contexto, digamos, universalista, como fez no Palavras Querem Dizer. Ele próprio dizia que os puristas especialistas de então, disseram, à época, que ele descaracterizou o instrumento... Com certa ironia, ele dizia que só os pantaneiros conseguem tocar daquele jeito deles e que ele não ousaria, pelo menos em disco, sob o risco de soar caricato...
    Humildade e sabedoria do Mago. Quem ouve Os Arreios de Luiz, Véia Messima ou A Idade dos Homens, curiosamente músicas de três discos distintos, percebe que ele foi um pouco mais longe, resgatando a própria ancestralidade do instrumento, e não apenas no sentido estritamente musical: ali é evocado a própria História, com "imagens" de grupamentos humanos em reuniões, buscando um sentido para a existencia através da música, da dança ou da mera contemplação ante a vastidão da Terra.
    Esse clima noltálgico também pode ser sentido com o grande "bluesman" Leadbelly em John Hardy, com violão e acordeon (seria um oito baixos, o nosso "pé-de-bode"?). Leadbelly tocava e cantava a si próprio, ele mesmo era uma "pedra bruta", assim como seo Nelson da rabeca, Zé Côco do Riachão e outros; o Zé Gomes era um ourives e com sua sensibilidade lograva fazer a ponte entre o passado e o futuro...

  1. Joca disse...:

    Corrigindo: "Doma" é de autoria de ambos, Zé Gomes e Almir Sater.

  1. Alexandre Silva disse...:

    Excelente texto amigo Joel. Obrigado!

  1. Alexandre Silva disse...:

    ... e será que se confirma a informação que a Universidade de Campinas tem um grupo de trabalho que está a investigar a figura e a obra do Zé Gomes?

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.