ZICA BERGAMI: APAGOU-SE O LAMPIÃO DE GÁS...

No último 16 de abril de 2011 apagou-se o último Lampião de Gás da capital do ser-tão paulistano: dona Zica Bergami morreu fisicamente, mas desde há muito estava eternizada no coração da cidade onde viveu praticamente toda a sua vida. Da valsinha Lampião de Gás, composta em 1957 e gravada por Inezita Barroso em 1958, muito já se falou, mas nunca é demais repetir que fala da nostalgia da São Paulo bucólica e provinciana, “calma e serena”, então “pequena, mas grande demais”.

Não me recordo da notícia ter sido veiculada em nenhum dos grandes órgãos de imprensa, com exceção de uma nota no jornal O Estado de São Paulo e do jornalista Assis Ângelo ter comentado no seu programa na Radio Trianon. Dona Zica não era celebridade, nunca gostou de holofotes, dedicava-se á arte por puro e simples prazer. Contudo, sua obra, apesar de pequena em quantidade, foi muito importante: compôs cerca de 30 canções, felizmente registradas nos CDs Zezé Freitas canta Zica Bergami (1999) e Salada de Danças (2000) e como artista plástica fez inúmeros quadros de arte primitiva brasileira, pelos quais recebeu muitas medalhas no Brasil e no exterior. Não se compreende, portanto, o esquecimento da mídia nativa em torno dessa artista “pequena, mas grande demais”. Seu legado merece ser enaltecido pelo bem das gerações futuras.

A musica-ícone Lampião de Gás fala de uma São Paulo praticamente desaparecida, tomada pelo crescimento desenfreado, congestionamentos monstros, atropelada pela velocidade do chamado progresso. Contudo, o espírito da cidade hospitaleira é o mesmo, desde que acolheu os primeiros imigrantes italianos, espanhóis, japoneses, emigrantes nordestinos e do interior do estado. E o espírito de uma cidade jamais desaparece, sob pena de a própria cidade desaparecer; a cidade cantada por dona Zica prevalece e permanece, eterna.

Nascida em Ibitinga a 10 de agosto de 1913, Elisa (Zica) Campiotti, casada com o advogado Virgilio Bergami Filho, essa descendente de italianos que se mudou para São Paulo aos 08 meses, é um exemplo de amor e ternura pela cidade adotiva: mostrou ao mundo como é ser-tão paulistana...









3 comentários:

  1. Grato pelas informações da preciosa Dona Zica.

  1. Palmira B. Freire disse...:

    Só hoje tomei conhecimento do falecimento de D.Zica,pessoa que eu tinha a maior admiração e respeito,lastimo que não tenha sido reconhecido todo o seu valor pelo publico em geral.

  1. jadir de araujo disse...:

    O jornal "O Estado de São Paulo" não publicou somente uma nota. Editou, no dia 16 de abril de 2011, uma matéria, sobre a morte da grande artista Zica Bergami, bem extensa, inclusive com vários vídeos em sua homenagem.

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.