Resistir é Preciso




De sempre em sempre a gente ouve alguém dizer que o brasileiro não tem memória ou que é a memória é curta. Ao brasileiro não são oferecidas condições necessárias para uma boa escola desde as primeiras letras. Números recentes mostram que continuamos entre os piores do mundo nos mais diversos estudos do desenvolvimentos dos nossos alunos,  desde o primário até a universidade. Se não é oferecido o estudo, não há cultura,  não aprendemos no presente e esquecemos rapidamente o passado.

O que ainda tem salvação é o esforço de entidades, a maioria dirigida por pessoas com extrema vontade de mudar a falta de interesse na nossa história. O Centro Cultural Banco do Brasil, aqui em São Paulo, está mostrando a extraordinariamente e bem montada exposição "Resistir é preciso..." com um material dos melhores sobre os anos de chumbo que vivemos fazem poucos anos. Começa no ano do golpe militar de 1964 e vai até o ano de 1985. Painéis com fotos, notícias e informações ano a ano dos principais acontecimentos no Brasil e no mundo. 

Trechos do texto assinado por Ivo Herzog, do Instituto Vladimir Herzog, responsável pelo material da exposição: "A exposição Resistir é Preciso é uma importante iniciativa para o resgate da história brasileira ...e tem como objetivo contar a história da resistência à ditadura que se implantou no Brasil em 1964. Durante a luta, milhares de pessoas foram presas e torturadas, centenas foram mortas e muitas delas até hoje continuam desaparecidas. Resistir é Preciso reuniu um expressivo conjunto de obras de arte que mostra a militância dos artistas clamando por democracia. Nesses anos, nasceu, também uma imprensa de resistência que se expandiu no país, na clandestinidade e no exilio. Resistir é Preciso permitirá aos jovens conhecer melhor as lutas pela reconstrução democrática através da linha do tempo".   

São trez andares de exposição e ainda o subsolo onde está localizado o cofre da antiga agência bancária do Banco do Brasil. É uma, além de histórica oportunidade de conhecer a história recente do nosso país, de muita emocão para quem, como eu, presenciou, esteve presente em muitos dos acontecimentos, dos atos de rua ali mostrados Na sala do antigo cofre é exibido um filme com os nomes dos mortos pela ditadura, os nomes vão "passando" na tela e caem um sobre os outros. Emocionante.

O prédio do Centro Cultural está localizado no centro histórico de São Paulo e foi construido no ano de 1901. 

Programa Metrópolis da TV Cultura sobre a exposição





0 comentários:

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.