NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS OU O ÓPIO DO POVO

Um ditado popular alerta que “não existe jantar ou almoço grátis”. Como a maioria das máximas populares, é muito sábia, contém verdades indiscutíveis e não oferecem chance de refutação, ao contrário das teorias filosóficas, válidas até o ponto de refutação. Nada de estranho ou suspeito nisso, é assim que funcionam os sistemas filosóficos, sustentados pela razão e o argumento. O filósofo Kant é um monumento de sabedoria, suas idéias ainda hoje, séculos depois de sua morte, ainda são determinantes para o destino da Humanidade e o mesmo nasceu, viveu e morreu numa pequena cidade, Konisberg, de onde nunca saiu: seu mundo era sua mente.

Os saberes populares são puramente práticos. O caboclo que os emite pode não saber escrever o nome, mas aprendeu na prática a verdade. Suas sentenças são verdades ruminadas centenas de vezes e ao serem pronunciadas, exprimem, sob forte luz, um fato inquestionável.
Veio a baila esse tema, a “sabedoria popular”, ao pensar nos espetáculos culturais grátis que existem em abundância na nossa cidade: toda semana, em algum lugar, tem teatro, cinema ou musica sem que se pague um único centavo, alguns de excelente qualidade.
A principio, uma beleza! Quem não gosta de boa música e de graça? Mas essa é apenas uma ponta de um enorme iceberg, que nós, público leigo, desconhecemos. E se repararmos mais detidamente, há um certo padrão naquilo que é mostrado, ou seja, espetáculos, grupos, artistas e gêneros atendem e agradam a certa faixa de público, falam uma linguagem mais ou menos corriqueira. Grosso modo: são os mesmos e circulam em determinados territórios, previamente demarcados. Nós, público, que dedicamos a horinha semanal de nosso tempo, não temos idéia do que o artista teve de fazer para preencher os “requisitos” para ter o direito a se apresentar e receber o justo cachê, afinal, precisa viver, pagar contas, etc. O espetáculo, pois, não é “grátis”, é pago pelo povo, porém, a escolha e os critérios são definidos por uma burocracia, cujos integrantes são desconhecidos de todos interessados, no caso, artistas e o próprio público. Para ser “escolhido” o artista precisa preencher uma longa lista de competências, a maioria não diretamente ligadas ao seu ofício: releases, currículo, documentos, taxas, carimbos, etc.,., prazos fixados, etc. e o não cumprimento ou mesmo a má compreensão de qualquer dos itens e subitens, automaticamente o exclui do processo. Aparentemente, o processo de escolha é democrático e isento de outros interesses que não a Arte, Artista e o Público. Aparentemente! Uma rápida pesquisa junto aos artistas que ficam de fora dos processos nos mostra uma realidade bem diferente dos propalados processos autônomos e isentos: trata-se de um circulo vicioso. Um abismo separa os artistas basicamente em duas categorias (poderia dizer classes ou mesmo castas): os que estão dentro e os que estão fora do processo (esquema), que a rigor, é simples: “quem está de fora não entra e quem está dentro não sai”.
Para explicitar melhor essa idéia, passo a palavra ao próprio artista. Tomo a liberdade de reproduzir aqui o desabafo de André Salles numa rede social, que reflete de maneira clara o sentimento e a condição de muitos deles. Só não concordo num ponto, onde ele diz que há uma intenção sutil e deliberada de anular a cultura verdadeira: não concordo porque não são inteligentes para tanto, são uns energúmenos e o que os move é o banal e baixo interesse meramente financeiro. Mas, de modo geral, vale como reflexão: a sociedade histórica evoluiu muito ao longo dos milênios, a conquista da técnica permitiu que uma verdadeira democracia pudesse ser almejada e assim, o acesso aos bens de consumo e culturais teoricamente não privilégios de uma pequena elite. Porém, uma nova luta se trava: a luta pelo controle desse acesso. Quando as decisões sobre o que ler, o que ouvir, o que ver fica restrito a um pequeno e anônimo grupo, é a própria democracia quem está em risco, pois, toda arte deve conter em si o germe do elemento contestatório, é a única possibilidade real de renovação. E uma nação, uma sociedade, um grupo ou mesmo um individuo que não seja capaz de se renovar periodicamente, se petrifica, por fim deixa de viver. Sem a possibilidade de conhecermos uma Arte autentica, nós povo/público, estaremos tão acéfalos quanto a grande massa nos longos 1.000 anos que duraram a Idade Média, enquanto a arte era restrita aos Mosteiros da Igreja, o poder reinante de então...
A Política substituiu a Igreja, os líderes revolucionários substituíram os Santos. E a Burocracia (comitês, politburos, fundações, ministérios, secretarias) lambe beiços, ávida, à espera de uma brecha para substituir a Inquisição.A primeira tentação totalitária é tentar calar as vozes conscientes que restarem. A segunda é a técnica do pão e circo. Ah, me ocorre, irresistível, uma frase feita, bem a caráter: “O preço da liberdade é a eterna vigilância”.
Com a palavra, o Andre Salles Coelho:
Acho que as leis de incentivo e os diversos projetos de "apoio" à cultura existentes são máquinas meticulosamente pensadas para acabar com a cultura. São braços do grande sistema. Um braço feito para abafar e calar qualquer possibilidade de senso crítico vindo da arte. São armas silenciosas que aos poucos vão minando o que nos resta de possibilidade de questionar nossa condição de escravos do sistema. Quando essas concorrências exigem horas de um trabalho de advogado para ler e entender os editais, quando se tem que largar toda a vida artística para cuidar disso, quando se tem que esperar meses pela resposta, e depois correr atrás da captação para finalmente desenvolver um projeto, para depois largar tudo de novo para prestar contas e depois fazer novos projetos e esperar e esperar, isso não está de forma alguma ajudando a cultura.
Esses procedimentos que infelizmente nos habituamos (esse é o grande perigo) vão desanimando a todos. Sem percebermos vamos nos sentindo inúteis, cansados, com baixa auto-estima e cada vez mais com a certeza de que não fazemos parte desse mundo de burocracias. E não fazemos mesmo. Tudo isso faz parte do plano de abafar a cultura, de asfixiar seus artífices, de minar a paciência de quem ainda tenta contestar, pois arte é contestação. E como contestar tendo que agradar os governos, os censores da lei, as empresas e um público cada vez mais imbecilizado pelos meios de comunicação?
O primeiro grande cinismo das leis de incentivo é esse: é proibido contestar, é proibido ousar, é proibido fazer diferente, é proibido fazer alguma coisa para poucos, a visibilidade é moeda de troca nas leis. O segundo cinismo é não dar possibilidade de continuidade aos projetos: por trás dessa impossibilidade de se fazer projetos de longa duração está a vontade de minar a paciência do empreendedor, fazê-lo sempre um Prometeu, colocá-lo em algum círculo de inferno de Dante, condenado a viver eternamente acorrentado à burocracias. O terceiro cinismo das leis é o que elas fazem do outro lado da cadeia produtiva. Elas desestimulam o público pagante, o publico consumidor de cultura.
Não existe saída: um espetáculo só tem público por ter uma lei por trás, possibilitando uma boa divulgação e uma gratuidade na entrada. Sem lei o artista tem que cobrar, e cobrando, o público não vai pois já se acostumou com a mamata das leis. Mas entrar num show de graça não é bom? Só é bom para o público, para o mercado da cultura (não estou falando de entretenimento) é péssimo. Cria um mundo irreal, um mundo que seleciona alguns artista por ano para desfrutarem de alguns privilégios e calam tantos outros que não conseguiram aprovação ou captação num projetozinho. Sim, pode ser que ano que vem... Mas e nos outros anos? Do que o artista vive? Como ele mantêm sua banda de Rock, sua companhia de dança, seu grupo de MPB, de choro, seu grupo de teatro, sua trupe circense? E nesse período sem projeto, o quê passa na cabeça do artista? Novas idéias? Certamente que sim. Mas passa também a desilusão de não poder efetivar seus projetos, a desesperança com os processos de apoio às artes no Brasil. E depois ainda temos que receber a notícia de que Claudia Leitte, Jorge e Mateus e tantos outros que pertencem ao mundo colorido do entretenimento foram aprovados em leis. Descuido? Brecha no processo? Vistas grossas? Acredito que a aprovação dessas pessoas é proposital. Faz parte do processo. O mesmo processo que cala a arte e valoriza o entretenimento. A idéia é emburrecer, é não contestar, é dar ópio ao povo. E as leis e seus similares são uma ferramenta dessa trama. Jogam aos pobres porcos que ainda tentam fazer cultura algumas migalhas por ano apenas para que o processo de extinção das artes ocorra numa lenta tortura enquanto o público vai cada vez mais se acostumando com a idéia de que a televisão, as novelas, o futebol, os jogos eletrônicos, as redes sociais são o que lhes basta. São a droga diária que os meios de comunicação, como deuses bondosos, lhes oferecem de graça, depois de um dia injusto de trabalho.
E assim, pouco a pouco a cultura vai morrendo, massacrada dentro das engrenagens das máquinas de incentivo. Mas pode-se chegar a toda essa conclusão rapidamente, com simples exercícios de imaginação: o que seria de Caymmi se tivesse que sair de sua rede à beira mar para fazer um projeto de lei? O que seria de Noel Rosa se tivesse que esperar a resposta de um edital com toda a urgência de sua vida?



0 comentários:

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.