DA ESCRITA FORMAL OU DA ESCRITA VAZIA QUE NADA DIZ















Ele se diz Príncipe Herdeiro da Família Real Brasileira e já aportou nalguns cantos desse sertão paulistano, noutras ocasiões. Zé Mangabeira (não confundir com outro que se diz “Mangabeira”, ex-funcionário de Harvard e atualmente servidor da União, ocupando a chefia de um Ministério, desses sem relevância, que se criam para acomodar os amigos e congêneres), por conta das vicissitudes da vida e da crise financeira que abalou os maiores Reinos da Terra, viu-se na situação extrema de aceitar um emprego de escriba-copista num dos milhares de departamentos do serviço público.

Foi recebido com galhardia inesperada por uma chefa de lindos, fulgurantes e melosos olhos azuis, que se apresentou como sendo de família mineira tradicional. Zé Mangabeira tomou o tento de verificar nos anais das ordens cangaceirísticas das Minas, sem, no entanto, encontrar referências... contudo isso não tira o valor: certamente é um desses títulos nobiliárquicos, concedidos por Honra ou Mérito ou os dois. De certo que achou muito conveniente lidar com alguém de alta estirpe, pois seria um embate entre iguais: afinal, os reinóis precisam da elite, burguesa ou aristocrática em seu projeto nacional re reconstrução...

Veio a primeira missão do fragilizado Prinspe: redigir um Oficio aos cuidados do Sr. juiz de direito. Assim o fez, nomeando formalmente “senhor juiz fulano de tal”. Foi o desarrumo inaugural do abdicado dignitário com a burocracia: a dama, em posição hierárquica superior desancou o já mortificado Prinspe, sacudindo o documento por entre tremores nas mãos e respingos salivares, olhos faiscantes, ante o pecado mortal de dirigir-se a um Juiz de modo errado, pois o mesmo não é um ser comum, não é um “senhor”, é Meritíssimo! “Onde já se viu!, seu Mangabeira”. Atônito, Zé Mangabeira repassou mentalmente os muitos progressos trazidos pela Modernidade, supostamente diluindo as distâncias sociais, minimizando os entraves burocráticos que tanto dificultam as relações... Referir-se a alguém pelos muitos títulos, num rito litúrgico interminável, o torna banal ante os milhares de ações protocolares que se seguem. Imaginou, sim, que o Juiz seja um distinto, qualificado e honrado senhor, e que chamá-lo cortesmente de “senhor” não constitui desrespeito... Risco maior se corre se na azáfama dos escrivinhamentos trocar um “i” pelo “e” e acrescentar um “r” a seguir do “t”, desalojando o impoluto magistrado de seu honorífico posto, atirando-o não só à vala comum, mas à incomum vala, abaixo do nível do mar, onde reinam as damas do meretriciu. Além do quê, errado ao pé da letra é chamar a autoridade forense de Juiz. Se tal se impôs por costume e simplismos vulgares, foi erro crasso, pois o magistrado não julga, mas interpreta de acordo com a Lei; ele não cria Leis nem os julgamentos, mas avalia as ações de quem é apanhado em delito. Julgador, se o houver, deve estar acima de tudo e de todos, inclusive das leis, e assim sendo, só o poderá se dotado de poderes divinos, em suma o Criador Supremo, e não alguém que esteja submetido às Leis das três dimensões conhecidas e também da gravidade. O digno magistrado, não obstante a toga e o título, respira e se alimenta por vias normais, escova os dentes, toma banho e assim sendo, não pode fugir à sina destinada à espécie que por ora se denomina homo-sapiens... Parafraseando Mestre Ariano Suassuna – a propósito doutor em Letras e Leis! – poderia se dizer do magistrado um decifrador, sendo aqueles das instancias superiores, decifradores-mores!.

Enfim, para o bem geral e agilidade nos procedimentos burocráticos, bem se faria romper progressivamente com os arcaísmos palacianos ou cartoriais que a banalidade torna adulação vazia... Corteses e áulicos, que sejam os conteúdos dos propósitos de alavancar o progresso humano, do contrário, a palavra torna-se vazia e apenas entopem os autos processuais que atulham os escaninhos meritíssimos, para honra e glória das traças que por ali transitam e reinam sem igual...



Porém, Zé Mangabeira, deposto Prinspe, agora barnabé inábil, apenas suspirou fundo e corrigiu a lauda, não esquecendo de acrescentar ao final “com elevadíssima estima e assaz consideração.” Contudo, sabe-se lá por que volteios da mente delirante, trocou involuntariamente o “i” pelo “e” e acrescentou o famigerado “r” ao tratamento nobiliárquico com que nos Ofícios se distingue os Magistrados do restante da humanidade...




“A letra foi feita para mentir.
Cristaliza na tinta a parte escura da verdade,
a infinitude do universo numas dezenas de
caracteres cujas possibilidades

combinatórias são muito
limitadas.”

Augusto Roa Bastos,
A Vigília do Almirante



7 comentários:

  1. Fernanda disse...:

    muito bom, muito bom! clap! clap! beijos mil

  1. VejaBlog
    Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil!
    http://www.vejablog.com.br

    Parabéns pelo seu Blog!!!

    Você está fazendo parte da maior e melhor
    seleção de Blogs/Sites do País!!!
    - Só Sites e Blogs Premiados -
    Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
    os melhores e mais prestigiados Blogs/Sites do Brasil!

    O seu link encontra-se no item: Blog

    http://www.vejablog.com.br/blog

    - Os links encontram-se rigorosamente
    em ordem alfabética -

    Pegue nosso selo em:
    http://www.vejablog.com.br/selo


    Um forte abraço,
    Dário Dutra

    http://www.vejablog.com.br
    ....................................................................

  1. lizalua disse...:

    Perfeito joca!!!
    AS "entrelinhas".. O vasto universo da imaginação... dando asas aos mais recôndidos sonhos.. segredos e pensamentos..
    quão preciosas e importantes são as palavras.. podendo desvendar um mistério, iniciar um vendaval.. construir, destruir.. podem dizer tanto e por vezes nada.. pois a passividade do papel ou mesmo dessa telinha de pc, nos anima a sermos o que queremos.. quem queremos.. e por acaso nos tornam mais ou menos aceitos.. há os que preferem o silêncio, simplesmente por medo da exposição.. seriam mais sábios? "Uma pessoa que se cala não é uma pessoa que tenha deixado de pensar, é antes alguém que oculta o que pensa. Mas o que é que pensa essa pessoa que se cala, por acaso pensa?
    "A minha imaginação entrava numa atividade febril até preencher com fantasias essa ausência de palavras e senti-me obrigada a preencher esse silêncio com o meu próprio pensamento" .
    grande beijo!
    lizalua

  1. joca disse...:

    Fernanda, a Lenda: exageros de Editora Chefa;

    LizaLua: puxa, esse comentário que está pra ser melhor que a postagem do cangaceiro! Disseste coisa profundas e enigmáticas. O blogueiro aqui que se cuide!

    bjs

  1. soll disse...:

    hahahahah
    vou usar este texto nas minhas aulas
    bjs
    Soll

  1. José Maria disse...:

    Salve Joca Suassuna. Grande abraço

  1. Joca disse...:

    Salve, grande amigo Zé! Esteve ontem no SESC, vendo e ouvindo Katcherê com os Amores Ibéricos? Não pude ir, infelizmente. Espero que tenha replay, pois esse espetáculo me interessa muito. Joca Suassuna? Estamos mais é para Joca Quaderna ou Joca Chicó!...

    Grande abraço!

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.