Rock Caipira

Notícia boa, vinda diretamente do G1: nossos amigos caipiras estão mesmo com tudo!!! Clap! Clap! Deixamos aqui nossos parabéns ao Vignini e turma!

Bandas de 'rock caipira' fazem sucesso com mistura de sons

Inspirações vão de Metallica ao mestre da viola Tião Carreiro.
Ao lado de guitarras, baixos e baterias, o ponteado da viola.

Carolina Iskandarian Do G1, em São Paulo

Pode chamar de rock caipira, rock´n roça, viola turbinada ou música caipira contemporânea. Nem as bandas sabem direito como definir esse gênero musical que mistura os acordes da guitarra com o ponteado da viola. Quem descobriu que a fusão dá certo faz sucesso pelo Brasil com canções que falam da vida no campo e na cidade. Da democrática mistura, sai até versão de Jimi Hendix no som da viola.

Os especialistas no assunto calculam que roqueiros e violeiros começaram a unir arranjos na década de 1980. Músicos sobem aos palcos com o tradicional cabelão e a camiseta preta, mas o chapéu do sertanejo e a camisa xadrez também ganham vez. Violeiro da banda Matuto Moderno, Ricardo Vignini, 35, diz que o começo foi estranho. "Éramos muito rock para o caipira e muito caipira para o rock".

Depois de dez anos do grupo paulista, o músico garante que a mistura deu certo. Segundo ele, foi preciso vencer primeiro o preconceito dos roqueiros. "O preconceito surgiu no início com o pessoal do pop. São muito caretas", alfineta Vignini, que cita Tião Carreiro, Índio Cachoeira, Almir Sater, Tonico e Tinoco, considerados mestres da viola, e os clássicos Led Zeppelin e Metallica como inspiração.

Sotaque marcado

Eclético? Pode ser, mas é dessa aparente diferença que surgem versões como "Voodoo Child", de Himi Hendrix, em um solo de viola de Vignini. Para quem acha que isso é o máximo, o músico até brinca. "O ponteado do Tião Carreiro tem a mesma energia do Jimi Hendrix". E completa: "o cara que vai tocar viola tem que conhecer os ritmos tradicionais antes de cair no rock para tirar os melhores resultados. Depois disso você faz as fusões", ensina ele, que toca com outros quatro amigos.

Na noite de quarta-feira (12), o G1 acompanhou o ensaio da banda em um estúdio na Zona Sul de São Paulo. O vocalista e guitarrista é Alex Mathias. Quando introduz os primeiros acordes de uma música podemos pensar que vem rock pesado por aí. Mas ele lança o 'vozeirão' para falar de um caipira que não tem modos, mas tem moda, como na música "Velha Praga". Carrega no sotaque. Na voz dele, malvada vira 'marvada'.

Para Mathias, o Matuto Moderno "venceu resistências" e, hoje, agrada fãs de diferentes gerações. "Temos uma situação engraçada: a avó veio comprar o disco para presentear o neto. É uma coisa que passa do pai para o filho e o neto. A gente consegue atravessar essa questão do tempo e não é uma característica comum de banda, a menos que você pegue aí os dinossauros", conta o vocalista, referindo-se às mais antigas.

No figurino das apresentações, nada muito sofisticado. "Estamos mais para caipira. Usamos colete e chapéu", diz, rindo. O clima de um interior um tanto contemporâneo fica evidente quando os dançarinos da catira (típica do folclore brasileiro) acompanham a banda com batidas de pés e mãos.

Vignini: "O ponteado do Tião Carreiro tem a mesma energia do Jimi Hendrix" (Foto: Tiago Marconi/G1 )

De Beatles a Beethoven


Com quatro anos de carreira, a banda Charme Chulo se orgulha de ter tocado nas "principais capitais do país" canções que mesclam "rock inglês dos anos 80 e música caipira de raiz". O quarteto de Curitiba resolveu compor a partir de influências bem diversas: David Bowe, Beatles, os brasileiríssimos Tom Zé e Chico Buarque, além de Ramones, Mozart e Beethoven.

"A idéia (de formar a banda) era unir a originalidade e a influência por algo nacional. Assim como a MPB, a música caipira é única no Brasil", afirma Leandro Delmonico, 24, violeiro e guitarrista do Charme Chulo. A vontade de conhecer as canções do interior veio por causa do avô. "Foi como um despertar. Ele tocava acordeão e viola". Ele também admite que a fusão, a princípio, causou espanto.

"Misturamos os sons para o público rock ouvir música caipira, para valorizar as coisas daqui", afirma ele. Fã de Tião Carreiro, o jovem paranaense não titubeia em dizer que ele é "o nosso Bob Dylan" e revela que, para ter sucesso no meio, foi preciso inventar. "O rock é ousadia. Junto com a música caipira choca porque você está invadindo um estilo. Ninguém vai despertar a curiosidade sendo clássico".

Na sala de aula


Quem vibra com esse despertar é o professor Ivan Vilela. Apontado como um dos mais consagrados violeiros do Brasil, será responsável pelo curso de viola caipira, que começa em 2009 na Universidade de São Paulo (USP). Ele pensa em levar para a sala de aula toda essa mistura musical. "Acho isso maravilhoso porque nenhuma maneira purista de pensar o instrumento se justifica".

Para ele, todos os caminhos da música levam "ao enriquecimento da cultura popular" e, em alguns casos, o tão urbano rock pode ser a porta de entrada para o mundo caipira brasileiro. "Tenho reparado que muitos jovens da viola turbinada chegaram a ela pelas vias do rock", conta Vilela.

Ao contrário do que sentiu Ricardo Vignini, do Matuto Moderno, o professor diz que o preconceito "veio dos caipiras". "Eles acham que a viola é um instrumento só rural, mas antes de tudo foi urbana e era tocada no Recife, em Salvador e no Rio de Janeiro (a partir do século XVI)", explica. Na 'briga' entre viola e guitarra, Vilela aposta no empate. "É uma feliz fusão".




2 comentários:

  1. joca disse...:

    Puxa: essas fusões rock-caipira-blues - e inté JAZZ! - geralmente é beleza pura! "Massa" de som, imperdível, vâmo ver!

  1. joca disse...:

    Eita, quase esqueço! Esse lance de preconceito ou "exclusividade", realmente nada tem a ver, não existe monopólio, ipsis-factu. E sempre tem a história para desmistificar! realmente,a viola era inicialmente um instrumento urbano - principalmente a viola de arame, tocada na corte - e com o surgimento do violão foi sendo esquecida, relegada, indo parar nos grotões do profundo interior, onde desenvolveu sua história característica, até voltar às "salas de concerto" com mestres como Renato Andrade, Levi ramiro, Paule Freire tantos e tantos outros!

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.