Meninas do Brasil

Houve um tempo em que as mulheres, quando iam a um estádio de futebol pela primeira vez ao verem os vinte e dois jogadores perguntavam “ quem é a bola?”. Tempos em que o arbitro da porfia se vestia de preto e a pergunta “porque o padre fica correndo sozinho?”. As mesmas perguntas feitas quando do advento da transmissão pela televisão.

Piadas machistas?. Não se ouvem mais, menos pelo politicamente correto e mais pelo conhecimento das mulheres em relação ao futebol e principalmente à pratica dentro das quatro linhas do gramado. As “marias chuteiras” ainda existem mas tem que “competir” com meninas interessadas em praticar e torcer além de esbanjar conhecimentos de regras e táticas do esporte rei. As arquibancadas estão mais bonitas, as antigas e ainda existentes mesas redondas, ainda dominadas por homens, estão sendo “atacadas” por mulheres. A Milene, a Rainha das Embaixadinhas, mãe do Ronald , filho do Ronaldo, o Fenômeno, dá show de bola junto a mais duas ou três meninas em dessas mesas. Para quem está acostumado a assistir às mesas masculinas ver as meninas é o chamado “colírio nos olhos” e um belo alívio para os ouvidos.

A nossa Editora Chefe Fernanda, a Lenda, Escritora e agora Doutora é uma torcedora "bambista" com conhecimentos práticos nas arquibancadas do Morumbi e nos gramados. Esporte que dividia com o basquete e obrigada a interromper por uma contusão no joelho. Perdemos a Magic Fernanda no basquete e ganhamos na literatura.

No Bar do Seu João (aqui) (e aqui) a televisão mostrava Brasil e Estados Unidos em disputa de vaga para a semi-final do Campeonato Mundial Feminino. Domingo a freqüência é predominante masculina, apenas a Silvia passou para buscar o Luíz para o almoço, e o primeiro tempo não desperta muita atenção com o Brasil perdendo de um a zero. Pênalti a favor do Brasil, as conversas param, o velho e bom torcedor masculino volta com tudo O Judeu analisa que a jogadora brasileira que vai cobrar está muito longe da bola, a goleira americana defende e os primeiros “xingamentos” à bela arqueira americana e ao péssimo chute da brasileira. A juíza volta a cobrança alegando que a goalkeeper americana havia avançado antes da cobrança e desta vez é a Marta que bate e marca. Reprimidos e baixos gritos de comemoração. O empate no tempo normal leva à prorrogação com a Marta marcando logo no início e o bar inteiro com toda a atenção, inclusive o Seu João, que só torce para o Maritimo da Ilha da Madeira.

O desconhecimento da seleção é total, apenas Marta, cinco vezes a melhor do mundo, é conhecida e ai entram os conhecimentos do Niltão a lembrar da Cristiane e da veterana Formiga, que já disputou quatro mundiais. O Flavinho, sociólogo e filósofo balconistico, observa que naquele momento não tem nenhuma mulher no bar e apenas empedernidos machões assistindo e discutindo sobre futebol feminino.

Duas vizinhas, acostumadas ao burburinho do futebol masculino, observando da calçada, comentam que verdadeiramente é sinal dos tempos e sorriem com uma indisfarçada satisfação. A bela Hope Solo defende um pênalti, o Brasil é eliminado, a tristeza não é dissimulada, mais uma cerveja, o Seu João volta à fazer a calabresa na chapa e o Marquinhos, o Assessor Geral do bar fica em silencio. Já assisti este filme várias vezes, com outros atores e outra direção.

As meninas que disputaram o jogo: Andréia, Érika, Aline, Daiane, Fabiana, Ester, Formiga, depois Renata Costa, Rosana, depois Francielle, Marine, Marta e Cristiane.

Parabéns Meninas do Brasil



1 comentários:

  1. Joca disse...:

    Amigo Zé!
    As mulheres avançam céleres e batem pé em igualdade futebolistica, seja na linguagem (que faz o mundo existir!) seja nas chamadas 4 linhas: garanto que a Marta não faria feio numa partida de marmanjos.
    Elas, as meninas, já sabem tanto que ousamos dizer numa discussão "voce não entende nada", sem o medo de estar sendo machista, aenas no calor de uma boa discussão futebolistica!
    Ah, mas o penalti voltou não por a linda goleira ter se mexido, mas porque houve invasão de área..
    Com o perdão do bordão Zé e leitoras do ser-tão, mas as juízas de futebol são um problema sério! Inventam cada uma! A natureza machista não resiste e inflama: vixe, se fosse um homem e a genitora seria lembrada!

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.