O BAR DO FRANGO E O ESPÍRITO MODERNO

A possibilidade de fechamento do Bar do Frango suscita algumas divagações sobre o valor das pessoas e das coisas, que seja material ou imaterial e de como tudo isso interfere em nossas vidas cotidianas, que enfim e em suma, é o que interessa. O Bar do Frango não é apenas um bar de periferia, com seu intrínseco valor comercial ou cultural; vai na contramão dos interesses vigentes não apenas desde os dias de hoje, mas desde há muito, desde que o mundo é mundo, especialmente o mundo capitalista. A intenção desta simples missiva não é transformar a batalha do Bar do Frango para permanecer com suas atividades numa cruzada contra o capital; tampouco transformar os legítimos donos do imóvel em vilões maldosos e sem coração: simplesmente é a Lei do Mercado, do deus mercado, com seus regulamentos e leis invisíveis e inflexíveis, as quais acatamos, pouco importa se impassíveis ou impotentes ou protestando veementemente, sempre assim, desde que o mundo é mundo!

O capitalismo Moderno inseriu no pequeno mundo abaixo do céu azul um elemento até então desconhecido: a figura soberana do indivíduo. A Modernidade – assim ensinam os manuais de sociologia – é filha dileta e direta do Iluminismo, quem veio substituir as trevas medievais, cujas sombras perduraram por longos 1.000 anos, tendo o mundo civilizado se convertido numa gigantesca e escura caverna. A Modernidade, com a razão e a técnica, foi o facho de luz que varreria para o nunca mais a barbárie, prometendo uma longa Era de luz e de paz, talvez definitiva. O foco principal e fundamental, o ser humano, ratificado na famosa Carta, onde se delineia Os Direitos Fundamentais do Homem e do Cidadão.
Como toda mudança traz em seu bojo um pacote de desacertos e entreveros, com a Modernidade não foi diferente: inconveniências nacionalistas ou econômicas, impossíveis de serem resolvidas à luz da razão, levaram o mundo a guerras fraticidas, carnificinas monstruosas que todos assistimos estupefatos; a luz que deveria ser da razão, é dos obuses mortíferos ou de foguetes e bombas inteligentes: a soberania do indivíduo, seu direito à vida digna, isso ficou ofuscado ou esquecido. As perdas humanas – em todos os sentidos – se converteram em “efeito colateral” de outra vitória, maior, ampla e redentora, mas cujo nome e face desconhecemos. Como podemos pensar, ser e agir sobre nosso destino, como alcançarmos o equilíbrio emocional criativo, se o destino se nos apresenta como um imprevisível louco com uma faca na mão???
Reflitamos, pois: eram as trevas medievais tão trevas assim? É a razão tão iluminada como pensamos? A mudança fundamental deve ocorrer no mundo a nossa volta ou começar por nós próprios, através de nossas atitudes e escolhas? Creio que a História seja um contínuo, de altos e baixos, avanços e retrocessos, contudo, a experiência deve ficar gravada no inconsciente coletivo e cedo ou tarde despertaremos, podendo iniciar um novo dia.
Enquanto aguardamos o desenrolar de certos acontecimentos, convido a todos amigos e frequentadores do famoso Bar do Frango a não deixar a peteca cair. Ali é o lugar democrático por excelência: sem uso de técnicas de venda ou de marketing, sem cobrança de couvert, sem seguranças ou câmeras de vídeo para flagrar infratores, suas mesas nuas, sua decoração caótica, é o espaço simbólico onde as pessoas de todas as classes e idades se misturam e se respeitam. Ali, no Bar do Frango, aprendemos e praticamos a mais elementar de todas as faculdades humanas: trocar experiências. E nada como fazer isso tomando uma gelada, pois ninguém é de ferro!!!



0 comentários:

Postar um comentário

 
Ser-Tão Paulistano Copyright © 2010 - 2011 Template Oficial Versão 2 | Desenvolvido por Iago Melanias.